domingo, 4 de janeiro de 2009

Leigos e cínicos

Acabo de reler um capítulo do livro "Evolução" de Mark Ridley (2006). Amanhã tenho que voltar à sala de aula e preciso tirar a ferrugem das semanas longe da lousa passado o recesso de fim de ano.

Uma frase nesse livro me chamou a atenção e motivou-me a escrever aqui novamente:

"
As homologias são, contudo, geralmente mais persuasivas para um biólogo formado do que alguém procurando evidências imediatamente inteligíveis da evolução".

Para lembrar antes de prosseguir: "homologias são semelhanças em estruturas provindas de descendência". Por exemplo, todas as "semelhanças" de nossos pêlos (de ordem molecular, genética, estrutura, morfológica e fisológica) encontradas em todos os mamíferos é resultado de nossa história evolutiva comum. Nós e todos os outros mamíferos temos um ancestral comum com pêlos, simples assim.

Olhe no espelho para sua face, os tipos de dentes que você possui (a chamada heterodontia), a posição de seus olhos, as narinas, as orelhas, o polegar oponível de sua mão, veja seus pés pentadáctilos, suas mamas (funcionais, ou não), seu sexo e suas partes pudendas, o roncar de sua barriga com fome, os instintos básicos de sobrevivência.

Tudo é compartilhado com outros seres. Como não fazemos fotossíntese, temos uma proteína chamada colágeno, um corpo organizado por tecidos verdadeiros... nós somos animais!

Ok, nada de novo! Está tudo na mais pura ingenuidade da descoberta de si próprio.

Entretanto, vocês se assustariam com a quantidade de pessoas que não possuem essa simples constatação, seja pela falta da informação básica, ou o cinismo por tê-la e ignorá-la.

No primeiro caso, compreendo que em países e regiões do mundo com graves problemas de sobrevivência as pessoas devem focar seus esforços em resolver suas necessidades mais urgentes. Por exemplo, não é fácil estar agora na Faixa de Gaza, não é?! Compreensível se a maioria da população de lá neste momento esteja centrada em sobreviver à guerra e política de embargo realizadas por Israel.

Estabilizados a paz, o respeito e cumprimento dos direitos humanos, voltamos ao nosso problema. Ter consciência, mesmo que ingênua, da nossa natureza animal trás várias conseqüências diretas para nosso dia-a-dia. Não se iluda, claro que o humano é motivo da maioria das pesquisas, ou justificativa máxima para quase todas elas, das Artes até a mais pura Matemática, tudo que procuramos está voltado de alguma forma para nós mesmos.

Animais nós somos, então também temos comportamento e instintos animais!!! "
Santa ingenuidade Batman"!!! rsrsrs!!! Verdade, novamente nada de novo!

Diferente dos "leigos" por falta de acesso à informação, o que me deixa mais intrigado são os humanos letrados espalhados pelas regiões ricas e imperialistas. Essas pessoas em sua maioria têm essas noções básicas de si próprias. Mais ainda, estão consumindo muita divulgação científica. Livros escritos sobre comportamento humano são Best Sellers pelo mundo desde o clássico de 1967 intitulado "O Macaco Nu" de Desmond Morris. Exemplos recentes e com muito humor constituem a "Culpa é da Genética" (Terry Burnham e Jay Phelan, 2002) e "Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?'' (Allan Pease e Barbara Pease, 2000), pois venderam milhares e milhares de exemplares pelo mundo afora. Os leitores desses livros tem acesso a informação básica e poderiam enxergar seu cotidiano de forma diferente.

Li alguns livros de divulgação científica (veja lista nas Referências deste Blog), o suficiente para ter uma opinião sobre o humano em geral (não em detalhes individuais).

Minha opinião é que vivemos em uma era de puro cinismo, não pode ser diferente!

Por exemplo, no livro "Eu, primata" o etologista Frans de Waal narra que chegou a participar de um grupo de trabalho em Washington - EUA, o qual envolvia antropólogos, psicólogos, cientistas políticos e representantes do Pentágono para discutirem uma nova ordem mundial após a queda do muro de Berlim. Havia um clima de que os Estados Unidos eram e continuariam no futuro a ser a única superpotência mundial. De Waal alertou para o perigo de um país com apenas 4% da população mundial passar a se portar assim, com ares de um império tirânico, porque, segundo a Teoria das Coalizões em chimpanzés, os machos alfa ruins são derrubados pela união de todos os seus oprimidos.

Há lógica compreensiva e base científica nessa afirmação, mas, segundo Frans de Waal, não levaram isso a sério. Veio a guerra do Iraque e de repente os americanos virão algo impensável até então: França, Rússia, Alemanha e China proclamaram sua oposição a essa guerra, uma coalizão impensável em 2003. Hoje podemos dizer que quase todos os países do mundo, sobretudo os em "desenvolvimento", repudiam a atitude e os atos desumanos dos americanos. A recente sapatada pelo jornalista iraquiano Muntazer al-Zaidi no presidente Bush foi aplaudida nos quatro cantos do planeta.

Agora pensem vocês, esse conflito poderia ser evitado se os americanos tivessem aprendido a se portar como verdadeiros macacos alfa, assim como nos chimpanzés!!! Líderes de verdade são mediadores eleitos pelos seus pares, não tiranos arrogantes. Resultado, o sucessor de Bush perdeu feio as eleições para o mundialmente aclamado Barack Hussein Obama.

Não é apenas de guerras que estou me referindo, porque está disponível para todos hoje os resultados de pesquisas que vão desde o uso do salto-alto pelas mulheres ao silêncio dos homens no banheiro.

Todavia, os leitores dessa informação se comportam como se observassem de longe, fora de suas vidas, ou como visitar a jaula dos macacos no zoológico em pleno domingo. É muito estranho ver esse tipo de cinismo do "eu sei, mas isso não é comigo", ou melhor "como banana, mas isso é coisa de macaco e não minha".

Como não és animal? Por acaso tu não téns mais pâncreas, ou seu corpo é feito de sílica?

Cinismo da elite que domina as massas, porque sabem muito bem a História e o porquê de explorarem as pessoas. Conhecem muitíssimo bem que nas culturas humanas mais antigas nós eramos comuns com nossos semelhantes, era assim entre os chimpanzés, era assim entre os caçadores-coletores.

Essa elite cínica sabe como a exploração foi implantada por eles desde o surgimento das sociedades agrícolas e posterior ascensão dos liberalismo burguês.

Nada disso é biológico, tudo é um produto econômico-social.

Mais exemplo: se você é cristão, caro leitor, gostaria de saber como ficarias se houvesse a ascensão de um império mulçumano e a morte de seu deus querido. Isso não é mera suposição, ou heresia, pois sabemos que matamos implacavelmente os deuses de outras culturas. Imaginem as lágrimas, dor, morte e extinção dos Kariris no Ceará, ou dos Sioux na América do Norte? Belo trabalho fizemos, não é?!

Se nós brasileiros exterminássemos, por exemplo, os argentinos, o deus cristão sobreviveria conosco. No caso dos Kariris e Siouxs, entre milhares de outros povos, exterminamos tudo deles, inclusive suas culturas e deuses. Ou você já ouviu alguém fazer preces para deuses como Nhinhó, ou Wakan Tanka?!

Como é difícil de se fazer entender por aqueles onde a leitura falta e ser entendido onde sobra o cinismo!

Somos animais, primatas, talvez os mais macacos entre os macacos.

Olhamos no espelho e está lá nos genes, carne e ossos que constituem nossos rostos, nas homologias que compartilhamos com nossos ancestrais.

Verdade que biólogos formados devam entender de conceitos de homologia e evolução, não sei se eles sabem que isso tem muito haver com suas vidas e os problemas humanos que enfrentamos no cotidiano, em suas próprias vidas.

Amanhã estarei em sala de aula, sou obrigado a fazer isso, porque é meu emprego. Por mim, ministraria apenas disciplinas optativas com alunos motivados por sua curiosidade e famintos por literatura para aumentar sua compreensão do mundo e de si próprios.

Infelizmente o mundo não é perfeito, mas sim constituído à nossa imagem e semelhança, um verdadeiro Planeta dos Macacos...

...Para os macacos humanos leigos e os cínicos bem informados.

5 comentários:

Darlan Reis disse...

Seu texto ficou bem interessante, camarada.
No atual quadro, a humanidade enfrenta questões muito sérias e o sistema capitalista mostra todas as suas contradições.

Waltécio disse...

É isso eu aprendi com você, camarada. Após nossa conversa inicial no Saraiva sobre o livro "Tábula Rasa" de Steven Pinker.

Autores americanos tendem a ter prediletação pelo capitalismo. Até mesmo Frans de Waal tem essa queda, como bem li no site:

http://www.politicalaffairs.net/article/view/5087/1/251/

Conheço uma meia dúzia de professores pesquisadores de várias áreas e em vários estados que são defensores do capitalismo. Eles são classe média, bem letrados, sabem perfeitamente o que estão defendendo: "um mundo confortável para eles, uma certa indignação sem ação e o desejo de tudo continuar como está". O mundo dos pequenos burgueses.

Eu só sei que a regra neste planeta é mudarl. Desde continentes que deslizam pelo oceano devido a tectônica de placas, aos seres vivos. Tudo muda!

Pensar que não haverá conseqüencias pelo que fazemos hoje é uma igenuidade e fé cega.

Mais sapientes são os chimpanzés. Sabem o que são, não possuem crises existenciais, não acumulam bens em detrimento de seus membros e todos comungam do sucesso dos caçadores-coletores.

Há tudo de nós neles, da bondade às guerras tribais genocidas, entretanto, não chegaram tão longe como nós na má distribuição das riquezas e exploração gananciosa e devastadora dos recursos naturais.

Realmente, nós não descendemos de ancestrais comuns aos chimpanzés. Devemos realmente ser todos filhos de Cain.

Falow!

W.

E.R.F. Medeiros disse...

Falar nisso, você já viu o documentário Zeitgeist - Addendum? É uma seita sócio-política baseada numa racional-economia científica que anda se popularizando por aí. Procura na internet, é de graça e vale a pena assistir o filme inteiro. Tem tudo a ver com o que você falou.

Ou se quiser te passo um cd quando você vier aqui.

CA disse...

Alô Waltécio!

Olha só, seu desabafo me fez refletir! Cenas cotidianas começaram a se organizar em minha mente! Quantos estudantes de biologia dizem que os animais só são instintivos, e isso foi matéria de um artigo do Portugal, onde mostra que esse discurso do instinto, se isolando dos outros animais é Aristotélico! Isso mesmo, altamente antiquado! pepsic.bvs-psi.org.br/pdf/arbp/v59n2/v59n2a04.pdf Esse é o endereço do artigo.

Na época de Darwin, ele tinha livre acesso ao que mais gostava, embora quase sempre ía de encontro às imposições familiares, que são sempre ligadas ao Mercado, essa lógica que corroe o mundo, e se espessa nele mesmo.

Todo curso de biologia deveria ter uma cadeira de Ecologia Política, não só Sociologia por Sociologia com as teorias principais. Mas, crítica, uma disciplina de Crítica à Sociedade I, II e III. Aí quem sabe, iríamos persuadindo as massas para que estes oprimidos, se tornem ativistas sociais?

Diversas idéias boas nascem a cada momento. Continuemos com elas discorrendo nos blogs! E interferindo onde tivermos espaço!

Allysson Allan disse...

Allysson acima.

 
BlogBlogs.Com.Br