segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A Trilogia das Mulheres: A Perplexidade Masculina

Chegamos ao final do Arco da Trilogia das Mulheres, na verdade, era este post que tinha em mente desde o início, mas precisava expressar os dados apresentados nos dois posts anteriores.

Segue então um resumo antes de prosseguirmos:
(1) Mulheres e homens são diferentes em genética, anatomia, fisiologia e comportamento.
(2) Homens fazem tudo pelo acesso sexual às mulheres, estas, em média, procuram relacionamentos com envolvimento emocional.
(3) As mulheres são equipadas com cérebros e hormônios para a afetividade e relacionamentos, homens bem menos.
(4) As diferenças na energética e conseqüências da reprodução humana determinam à expressão dos apetites sexuais.
(5) Mulheres são tão sexualizadas, ou mais do que os homens.
(6) As mulheres são selecionistas, homens em via de regra são generalistas.
(7) O estro das mulheres é oculto, os homens não sabem se transam com mulheres férteis.
(8) A seleção sexual pode ser otimizada da melhor forma possível, quando não se possuí um marido ideal com recursos e boa genética, elas podem partir para a estratégia de homens para reproduzir, outros para criar (sem contar com outros aspectos inerentes à guerra dos espermatozóides).

Notem que em termos de sexo, mulheres e homens são reflexos em um espelho. Parecem ser um oposto ao outro, regra para um não é para o outro.

Essas diferenças não são exclusividade da espécie humana, está em comum acordo com a maioria dos animais vertebrados. Note o que eu acabo de escrever: VERTEBRADOS. Está para além dos mamíferos!!! São regras onde o sexo que possui maior investimento, passa a selecionar seu par. Na maioria das vezes é a fêmea, quando é o inverso, machos passam a selecionar suas parceiras, como nos pingüins imperiais na Antártida.

Em um olhar global sobre as espécies dióicas (com sexos separados) notamos que em muitos grupos de animais, o sexo masculino é efêmero. Diversos grupos de insetos como os mantídeos (louva-a-deus) e, notoriamente, nos aracnídeos, os machos vivem até a época da reprodução e são devorados por suas fêmeas. Há lógica adaptativa nisso, tendo em vista que são as fêmeas que nutrirão os filhotes, após a função de reprodução não há sentido dos machos continuarem vivos. Favorecem com a energia de seus corpos sua prole quando devorados. Amor nesse mundo é verdadeiramente canibal!!!

Em outros casos mais extremos, como em algumas espécies de equiúros (um grupo de anelídeos sedentários muito modificado), os machos são aprisionados no aparelho reprodutor da fêmea. Sim, meu caro leitor, há formas de vida neste planeta, onde os machos nunca vêem a luz do dia. Eclodem de seus ovos e vivem dentro da fêmea. É uma relação mutualística bem estranha, ele vai obter seu alimento da fêmea como um endoparasita, ficará lá dentro dos túbulos uterinos e fecundará todos os ovos produzidos por ela. No mundo externo, apenas se verá as fêmeas, dentro delas, em meio à escuridão úmida, estão seus machos e escravos sexuais.

Citei também a paternogênese rapidamente no post anterior apenas para demonstrar que até mesmo na ausência completa dos machos, algumas fêmeas são capazes de se reproduzirem com sucesso sozinhas!!!

Por fim, falando de nós mesmos, as estatísticas dizem tudo: em média, homens vivem menos que as mulheres. Isso é tão conhecido por nós hoje que faz parte dos diálogos realizados pelos pediatras no pré-natal. Está em livros como "Criando Meninos" (Biddulph, 2002) e "Criando Meninas" (Preuschoff, 2006). Quais os motivos?! Um dos principais fatores dessa brevidade de vida é a quantidade de testosterona nos homens. Em altos níveis a testosterona chega a ser cancerígena, como bem sabemos o fim dos "homens-bombas" das academias. Tomar testosterona de animais para desenvolver musculatura possui graves efeitos colaterais.

Testosterona não é apenas ligada ao desenvolvimento da massa muscular, como também é está relacionada à agressividade. Na adolescência morrem muito mais meninos do que meninas. Seja por agressividade corporal, seja por envolvimento em atividades perigosas de competição (pe., os rachas automobilísticos são quase exclusivamente realizados por homens jovens).

Ao resumir tudo isso e contemplando o que sabemos sobre as mulheres hoje em dia, nós homens estamos perplexos.

A "supremacia masculina" sofreu um golpe terrível pela ciência. Nós somos diferentes, mas essas diferenças não justificam a desigualdade entre os sexos. Escrever assim é um eufemismo, porque não é apenas uma questão de desigualdade, mas sim de possessão, humilhação, tortura e morte. Por séculos e nas mais diferentes culturas as mulheres têm sofrido com o abuso masculino.

Elas vivem hoje em um estágio de reconhecimento de seus direitos como seres humanos em um mundo completamente ditado por nós homens.

Líderes religiosos, políticos, poetas, compositores, pintores, cientistas, filósofos, astronautas, tudo dominado por homens. Os heróis dos quadrinhos e personagens dos desenhos animados de minha infância: são todos homens! Se há alguma mulher nesse mundo elas são figurantes passivas das histórias e estórias narradas. Sem contar na forma apresentada muitas vezes como simples objetos sexuais dos homens. Um exemplo simples e rápido, enquanto o "super-homem" anda por aí todo vestido (mesmo com a cueca vermelha sobre as calças), a "mulher-maravilha" anda quase nua!!! Quantos filmes de longa metragem existem do "super-homem" e quantos da "mulher-maravilha"?! Pois é, apenas um exemplo entre outros tantos e tantos.

Isso não se restringisse apenas à ficção, a face cruel é saber que hoje em dia no Brasil uma mulher ocupando a mesma função de um homem e, às vezes até com maior escolaridade, ganha em média 24% a menos de remuneração.

Hoje pela manhã em sala de aula perguntei aos meus alunos (a maioria esmagadora de mulheres):
Quantos prefeitos do Crato foram mulheres?
Quantos governadores do Ceará foram mulheres?
Quantos presidentes do Brasil foram mulheres?

Em décadas, séculos, milênios: todos homens!

Nós homens sabemos do poder atrativo das mulheres, não resistimos a ele. Mesmo que haja um ou outro homem que se prostitua, a exploração do sexo por dinheiro é imposta pelos homens às mulheres... mundialmente!!! A pornografia, que chega a 90% dos conteúdos da internet, é quase toda voltada, financiada e alimentada por homens. Pesquisas demonstraram que até os sites de nus masculinos são freqüentados em esmagadora maioria por homens.

Mesmo homens que foram selecionados e são os "astros" do momento, podem não serem amanhã. Todos os homens machistas, possessivos e agressores sofrem de baixa estima, são inseguros e temem as mulheres.
Por muito tempo em nossa história a virilidade e vigor masculino foram medidos pela sua fertilidade. Homens estéreis e impotentes culparam suas esposas e amantes pelos seus defeitos. Exemplo clássico é Napoleão Bonaparte, quando imperador da França, desposou Josefina de Beauharnais, que já possuía dois filhos do primeiro casamento. Napoleão não conseguiu ter filhos com Josefina... ela foi exilada e dado a Napoleão o direito do divórcio devido à infertilidade da esposa.

Josefina foi imperatriz da França, se o contrário fosse verdade e Napoleão estéril, ela não teria direito ao divórcio, tão pouco exilar o imperador.

Os homens temem serem traídos e criar o filho de um outro. Na mitologia masculina, o amante de sua esposa é um "espertalhão sedutor de mulheres (solteiras, ou casadas)", esse mesmo canalha fictício é a fantasia da maioria dos próprios homens. Ser aquele desejado e procurado por mulheres solteiras e casadas... é a fantasia do "Primo Basílio", ou o "James Bond - 007" do Cassino Royalle!!!

Pimenta nos olhos dos outros é refresco! Traição então?!

É o medo de não ser um homem acima dos outros, o medo de não ser o preferido, um medo de ser condenado a criar o filho do "dotadão" da música dos Ratos de Porão.

Homens assim são inseguros e perigosos, porque são homens. Lembrem-se, agressividade está sempre em alta na lista das reações masculinas. Está em todo lugar em que estivermos: no trânsito, nas arquibancadas dos estádios, nas festas de rua, nas salas de aula. Homens reagem prioritariamente pela agressão, mesmo em situações que parecem ridículas como discutir por um time de futebol.

Não há justificativa para toda a sorte de agressão, humilhação e submissão que impomos às mulheres. É transcultural, está presente em todos os países e se arrasta por séculos. Talvez haja realmente uma base genética para nosso "macho demoníaco", algo de
Pan troglodytes em nossos ancestrais. Entretanto, mesmo surrando e estuprando suas fêmeas, os chimpanzés (P. troglodytes) não chegam perto do nível de tortura hedionda que praticamos.

Por outro lado, nós homens nunca usamos cinto de castidade, assim como nenhum menino foi castrado para controle de seu apetite sexual.

Fazemos isso hoje com as mulheres, hoje em pleno século XXI com ciência de sobra, com o conhecimento que temos.

Para quem não sabe, a UNICEF elegeu a data
6 de fevereiro para o "Day Against Female Genital Mutilation" (Dia Contra a Mutilação Genital Feminina)... isso começou em maio de 2005!!!


As mulheres continuam a serem apedrejadas até a morte por adultério em países islâmicos. Apenas no Irã foram oito mulheres apedrejadas e mortas em setembro de 2008!!!


Sou um homem de 37 anos, já tive em meus braços todas as mulheres da música cantada por Martinho da Vila. Ri, chorei, amei, fui amado, em muitas vezes foi começando bem, mas tudo teve um fim. Como todo garoto, imaginei uma mulher ideal, minha musa particular... A chamei "Milena", por causa de Franz Kafka. Minha Milena, amor platônico e inspirador. Assim tenho as mulheres em mim, sempre como portos seguros, colo, paz e amor.

Lembro a todos os biólogos que muitos nomes de animais são inspirados nas mulheres, como a família de Polychaeta chamada Aphroditidae, ou mesmo toda a flora do Brasil que foi inicialmente dividida em regiões fitogeográficas com nomes de dríades e ninfas na
Flora Brasiliensis (von Martius, 1840).

Para encerrar essa trilogia, despeço-me com a música "Woman in Chains" (Mulher Acorrentada - em tradução livre) de uma das minhas queridas bandas da década de 1980 chamada Tears for Fears:



You better love loving and you better behave
Você é melhor no amor, amando e age bem melhor
You better love loving and you better behave
Você é melhor no amor, amando e age bem melhor
Woman in chains, woman in chains
Mulher acorrentada, mulher acorrentada
Calls her man the great white hope
Chame o homem dela de "a grande esperança branca"
Says she's fine, she'll always cope, ooh
Diga que ela está bem, que ela sempre lutará, ooh
Woman in chains, woman in chains
Mulher acorrentada, mulher acorrentada
Well, I feel lying and waiting is a poor man's deal (A poor man's deal)
Bem, eu sinto que cai na mentira e esperar é um negócio de homens pobres
And I feel hopelessly weighed down by your eyes of steel (Your eyes of steel)
E eu sinto sem esperanças o peso de seus olhos de aço
Well, It's a world gone crazy keeps woman in chains, woh woh who
Bem, este mundo é louco mantem a mulher acorrentada, woh woh who
Woman in chains, woman in chains
Mulher acorrentada, mulher acorrentada
Trades her soul as skin and bone
Comercializa a alma dela assim como sua pele e ossos
(You better love loving and you better behave)
Você é melhor no amor, amando e age bem melhor
Sells the only thing she owns
Vende a única coisa que lhe é própria
(You better love loving and you better behave) ooh ooh
(Você é melhor no amor, amando e age bem melhor)
Woman in chains (the sun and the moon), woman in chains
Mulher acorrentada (o sol e a lua), mulher acorrentada
Men of stone, men of stone, hey baby, no no no, ooh
Homens de pedra, homens de pedra, hey baby, não, não, não, ooh
Well, I feel deep in your heart there are wounds time can't heal (The time can't heal)
Bem, eu sinto profundamente que em seu coração há feridas que o tempo não pode cicatrizar (o tempo não pode cicatrizar)
And I feel somebody somewhere is trying to breathe
E eu sinto que alguém em algum lugar está tentando respirar
Well, you know what I mean
Bem, você sabe o que eu quero dizer
It's a world gone crazy keeps woman in chains
Este é um mundo louco mantem a mulher acorrentada
It's under my skin but out of my hands
Está sob a minha pele, mas fora do alcançe de minhas mãos
I'll tear it apart (somebody somewhere is trying)
Eu rasgarei isso em pedaços (alguém em algum lugar está tentando)
But I won't understand (to breathe)
Mas eu não vou compreender (respirar)
I will not accept the greatness of man
Eu não aceitarei a grandeza do homem
It's a world gone crazy keeps woman in chains
Este é um mundo louco mantem a mulher acorrentada
Gone crazy keeps woman in chains
Enlouquecido mantem a mulher acorrentada
So free her, so free her, so free her
Então liberte-a, então liberte-a
So free her, so free her (the sun and the moon)
Então liberte-a, então liberte-a (o sol e a lua)
So free (the wind and the rain) her, so free her
Então (o vento e a chuva) liberte-a, então liberte-a
So free her, so free her, so free her, so free her
Então liberte-a, então liberte-a, então liberte-a
So free her, so free her (the sun and the moon)
Então liberte-a, então liberte-a (o sol e a lua)
So free (the wind and the rain) her, so free her
Então (o vento e a chuva) liberte-a, então liberte-a

A Trilogia das Mulheres é dedicada à minha filha Gabriela!!! Que ela encontre um mundo melhor para viver, exerça sua sexualidade, lute com bravura e coragem por seus direitos!!!

5 comentários:

Darlan Reis disse...

Rapaz, o texto está legal. Só achei paia a musiquinha do final, hehehehe.

Ainda bem que não nasci um louva-a-deus nem um equiúro. Ser comido não é para mim!

Saudações masculinas.

Waltécio disse...

Camarada,

Imagine neste mundo, em nossa própria espécie, nascer mulher, pobre, negra e com algum defeito físico?!

Os Echiura não possuem esse grau de exclusão social, sem contar o tratamento que damos as mulheres... Isso no mundo de hoje!!!

Achei pouco o que escrevi, diante desse problema milenar e transcultural.

Entretanto, espero pela revolução, onde um mundo social mais justo se estabeleça.

Saudações comunistas!!!

Waltécio disse...

Ah! Quanto a música do Tears for Fears é a melhor que conheço sobre o tema abordado.

Woman in Chains é uma música calma, apesar da letra ser de protesto, mas a Trilogia também inclui os Ratos de Porão e o camarada Martinho da Vila. No conjunto é uma trilha sonora bem diversificada e para todos os gostos.

Flw,

W.

Darlan Reis disse...

Eu estudo mulheres que foram escravas. Muitas eram negras, africanas e escravas. E vivendo no século XIX, aqui no Cariri...

Pense aí o que elas sofreram. E tem historiador que relativiza isso. Sabe por que? Para tentar vender a idéia de uma "paz social" no passado, romanceando-o e tentar justificar uma "paz social" hoje.

É repugnante, ainda mais quando vem de colegas historiadores, ou seja, assalariados!!!

Waltécio disse...

Verdade, camarada! Se é difícil hoje, pior no passado... pior ainda para as escravas.

São as vergonhas de nossa história humana.

W.

 
BlogBlogs.Com.Br